domingo, 13 de dezembro de 2009

Como identificar quando uma criança pode estar sendo vítima de abuso sexual?

Sabendo das consequências de abuso sexual principalmente na infância; se faz necessário clarificar sobre a importância de se ter conhecimento também sobre esse assunto.



Vale pontuar que não devemos tirar conclusões precipitadas sem antes observarmos e investigarmos possíveis dúvidas.


Cada sinal em separado não quer dizer que a criança possa estar sofrendo abuso, mas se você observar vários deles ao mesmo tempo, é uma indicação de que você deve se preocupar e se informar sobre como agir.


Alguns destes comportamentos ou sintomas podem aparecer em
momentos estressantes da vida de uma criança, como divórcio, morte de
membro da família, ou por problemas na escola.


Pesadelos, problemas para dormir, medo do escuro e outros distúrbios do
sono;

Medo excessivo de "monstros";

Perda de apetite ou problemas ao comer ou engolir;


Mudanças súbitas de humor: raiva, medo, introspecção...;


Medo de pessoas ou lugares (demonstrando relutância em ficar sozinho

com determinada pessoa ou mudança de humor na presença de
determinada pessoa);

Problemas estomacais freqüentes sem razão identificável;

Regressão de comportamento (ex. fazer xixi na cama ou usar chupetas
depois da idade em que isso normalmente acontece);

Atividades sexuais com brinquedos ou outras crianças ou pedir a amigos
e irmãos para se comportar sexualmente;

Nomes novos para partes íntimas do corpo;
Recusar-se a falar sobre um "segredo" que tem com um adulto ou criança
mais velha;
Ter dinheiro inesperadamente;( vale a pena investigar)
Se cortar ou queimar propositadamente, quando adolescente;
Machucados, vermelhidão, sangramento ou dor inexplicáveis nos genitais,
ânus ou boca;
Corrimentos ou fluidos leitosos na área genital.( vale buscar ajuda ao ginecologista para maiores esclarecimentos).
Toda criança tem o direito de ser protegida.
A prática do diálago contribui para maior e melhor aproximação entre pais e filhos.


Marta Santos Oliveira. Psicóloga infantil.

Quais comportamentos podem ser considerados “abuso sexual” contra a criança?



Quais comportamentos podem ser considerados “abuso sexual” contra a criança?
A criança é uma pedra preciosa e precisa ser protegida por seus responsáveis.
Ouvir a criança é extremamente significativo para detectar tais comportamentos; o diálogo, a abertura em ouvir pode ser a peça fundamental ligados a proteção infantil.
Podemos citar alguns comportamentos considerados “abuso sexual” contra a crianças:
Tocar os genitais de uma criança para prazer sexual ou outra razão
desnecessária.
Fazer uma criança tocar os genitais de outra pessoa.
Colocar objetos ou partes do corpo dentro da vulva, vagina, boca ou ânus da criança para prazer sexual ou outra razão desnecessária.
Mostrar pornografia para uma criança;
Mostrar os genitais a uma criança;
Fotografar criança em poses sexuais;
Encorajar crianças a assistirem atos sexuais ao vivo ou em filme;
Observar (voyerismo) crianças se vestindo ou usando o banheiro, em
geral sem o conhecimento da criança.






O Abuso contra criança é um assunto que merece conhecimento.

Como podemos entender o Abuso contra criança?
O Abuso contra criança pode ser:
negligência - não assegurar comida, casa, segurança e educação.
Agressão física- (tapas, sacolejões, maus tratos, ossos quebrados e
queimaduras, etc..)
Agressão verbal - (brigas constantes, chamar a
criança ou se referir a ela por nomes depreciativos como inútil, idiota, etc..)
Abuso sexual - como exploração sexual, prostituição infantil, pornografia
ou o abuso "caseiro" por parte de parentes, como tios, pais, padrastos ou
ainda vizinhos, amigos etc.
Sexualidade faz parte de cada ser humano, independente da idade.
Consulte livros sobre o desenvolvimento infantil, pediatra, psicólogos ou
outros profissionais, para saber mais sobre o desenvolvimento da criança e que comportamentos sexuais são normais e comuns em cada faixa etária.


Segundo pesquisa feita por entidades que trabalham em parceria com o Ministério
da Justiça indicam que a cada oito minutos uma criança brasileira é vítima de
abuso, ou seja, 60mil crianças por ano são vítimas de abuso no Brasil.


80% dos casos são contra meninas;
82% são crianças entre 2 e 10 anos;
90% dos casos a criança é abusada por alguém que conhece e ama; pela
ordem, o pai biológico, o padrasto, tios, avôs e irmãos;
60% (estimativa) dos casos envolvem pessoas das classes média e média
alta.


Marta Santos Oliveira. Psicóloga infantil











































Nenhum comentário:

Postar um comentário